Luta franciscana é tema de revista internacional

O trabalho diário do SEFRAS ganhou visibilidade lá fora, com a matéria escrita pelo jornalista Filipe Domingues para a America Magazine (EUA).

Sob o título “Brazil plunges into Covid chaos while church fights the ‘hunger pandemic’”, algo como “Brasil mergulha no caos de Covid enquanto a Igreja luta contra a ‘pandemia da fome’”, a reportagem faz uma analise dos impactos da pandemia entre os mais vulneráveis, destacando o trabalho franciscano e sua campanha Pandemia da Fome.

Leia a matéria traduzida abaixo, ou AQUI em sua versão original.

Brasil mergulha no caos de Covid enquanto a Igreja luta contra a “pandemia da fome’

Filipe Domingues – American Magazine

“Prefiro ficar na fila do serviço do que parar de pagar o aluguel e me tornar uma moradora de rua”, disse uma mulher, explicando por que começou a visitar os postos de doação de alimentos criados pelo Serviço Franciscano de Solidariedade –  Sefras , em São Paulo, Brasil. Seu depoimento, compartilhado pelo diretor-presidente da Sefras, José Francisco, O.F.M, é apenas uma das milhares de histórias de brasileiros que estão caindo na pobreza – ou voltando a ela – enquanto a Covid-19 se espalha pelo país.

“No início, apenas os mais vulneráveis estavam morrendo de fome, mas a fila de fome está crescendo a cada dia. É uma pandemia de fome ”, disse o padre Francisco. A Sefras atua tanto em São Paulo quanto no Rio de Janeiro com moradores de rua. Atualmente, fornece 2.800 refeições por dia, quatro vezes mais do que antes da pandemia.

Um programa de ajuda emergencial do governo foi a última rede de segurança para milhares de famílias no Brasil à medida que a crise da Covid-19 aumentava. A partir de abril de 2020, as transferências de dinheiro acabaram distribuindo US $ 20 bilhões para 66 milhões de beneficiários, atingindo mais de um quarto da população brasileira em agosto de 2020 e metade de todas as famílias brasileiras. Mas essa primeira rodada de apoio terminou no final de dezembro.

O resultado era previsível à medida que os bloqueios municipais continuavam e um número recorde de novos casos e mortes eram relatados em todo o país. “Não se trata mais apenas dos sem-teto”, disse o padre Francisco. “Pessoas de outras origens estão sendo adicionadas às filas [de alimentos].” Ele explica que o Sefras há muito atende pessoas que não se qualificam para os programas de assistência do governo “e aqueles que estão no mercado informal, que vendem coisas nas ruas”.

“Mas agora vemos famílias inteiras na fila, que podem ter moradia, mas não o suficiente para comer”.

Informalidade 
O bispo José Valdeci Santos Mendes, da Diocese de Brejo, no estado nordestino do Maranhão, chefia a comissão de desenvolvimento social da Conferência dos Bispos do Brasil. Ele observou que as comunidades ciganas e os trabalhadores de circo, que participam amplamente do setor de trabalho informal do país, estão entre as comunidades que recorreram à ajuda da igreja.

“Eles precisam de pelo menos US $ 120 [por mês por família] ou morrerão de fome”, disse ele. “Essas pessoas tiveram algum trabalho informal, mas hoje não têm nada. Em alguns municípios da minha diocese, 70 a 80 por cento da população depende de programas governamentais ”.

Ele acrescentou: “Como Igreja, assumimos um compromisso com a vida e faremos de tudo para mostrar solidariedade. Nosso Deus é o Deus da vida. ”

Padre Júlio 
Conhecido internacionalmente por seu trabalho beneficente com os moradores de rua no Brasil, o Padre Júlio Lancellotti disse à América Magazine que algumas das pessoas, que agora assiste, carecem até mesmo dos utensílios básicos para cozinhar. “Às vezes eles têm um pouco de comida, mas não o gás; eles cozinham com lenha, com etanol”, disse. Padre Lancellotti é pároco da Igreja de São Miguel Arcanjo e “Vigário episcopal para os moradores de rua” da Arquidiocese de São Paulo.

“O número de pessoas que procuram comida [nas instalações da igreja], medicamentos, roupas aumentou mais de 30% desde o início da pandemia”, disse ele. Todos os dias, instituições religiosas atendem mais de 5.000 pessoas em São Paulo.

“Eram pessoas que estavam empregadas e tinham experiência de trabalho”, acrescentou, “mas agora não têm nada. Eles tiveram uma vida difícil, agora vivem em extrema insegurança”.

Caso Brasil
O número de mortes por coronavírus no Brasil é de cerca de 300.000. Um número estimado, pois acredita-se em uma grande subnotificação, superada apenas pelos Estados Unidos. Nas últimas semanas, mais de 2.000 pessoas morreram de Covid-19 no Brasil quase todos os dias, enquanto o país se tornava o novo epicentro global da pandemia.

“O número de pessoas que procuram alimentos, medicamentos, roupas na igreja aumentou mais de 30% desde o início da pandemia” no Brasil. “Essas eram pessoas que estavam empregadas, mas agora não têm nada.”

Apenas 2% dos 209 milhões de pessoas no Brasil foram totalmente vacinadas, apesar dos sucessos anteriores do país com vacinas e da forte capacidade estrutural para distribuí-las. Muitos brasileiros foram desencorajados a se inscrever para as vacinas por causa da contínua desinformação online, um problema que se tornou tão preocupante que as autoridades da Igreja intervieram para encorajar os brasileiros a se vacinarem.

Um estudo da Fundação Oswaldo Cruz, uma das principais produtoras de vacinas da América do Sul, relata que o sistema de saúde brasileiro enfrenta o maior colapso da história: 24 dos 27 estados brasileiros têm taxas de ocupação de unidades de terapia intensiva acima de 80%. Em meados de março, 15 desses estados tinham I.C.U. taxas de ocupação em 90 por cento.

Em uma carta divulgada em 10 de março em parceria com outras organizações da sociedade civil, como a Ordem dos Advogados do Brasil e a Academia de Ciências, a conferência dos bispos disse que “a negação mata” e “está punindo os mais vulneráveis” no Brasil. “Depois de um ano na linha de frente, nossos profissionais de saúde estão à beira da exaustão”, adverte a declaração conjunta. “A ineficiência do governo federal, principal responsável pela tragédia que vivemos, é notória.”

Muitos especialistas em saúde atribuem o fracasso do Brasil em controlar a pandemia a uma série de erros originados na administração do presidente Jair Bolsonaro – a hesitação do presidente em comprar e distribuir vacinas, sua promoção de medicamentos ineficazes contra o vírus e sua resistência (e zombaria) de) distanciamento social e uso de máscaras.

Bolsonaro escolheu recentemente seu quarto ministro da Saúde durante a pandemia, o cardiologista Marcelo Queiroga. Parlamentares de centro-direita pressionaram o presidente a fazer uma nova nomeação devido à rápida evaporação da confiança do público na orientação oferecida pelo ex-ministro, general Eduardo Pazuello, que não tinha experiência na área de saúde.

Mesmo agora, enquanto o sistema de saúde se aproxima do colapso em todo o Brasil, Bolsonaro persiste em exortar os brasileiros a deixarem suas casas para trabalhar e pediu à Suprema Corte do Brasil que impeça os governadores estaduais de ordenar bloqueios regionais, ameaçando tomar “medidas duras” contra eles. Alguns juízes especulam que o presidente está considerando declarar um estado de sítio que reduziria os direitos humanos e aumentaria drasticamente sua autoridade.

Apenas 2 por cento dos 209 milhões de pessoas no Brasil foram totalmente vacinadas, apesar dos sucessos anteriores do país com vacinas e da forte capacidade estrutural para distribuí-las.

O presidente não era fã da rodada inicial de ajuda emergencial, mas ela se mostrou essencial para prevenir os piores efeitos econômicos da pandemia. Maior programa de bem-estar já lançado no país, superou até mesmo o renomado programa Bolsa Família, uma iniciativa de renda básica que tem mostrado grande sucesso.

Segundo estudo de Naercio Menezes-Filho, economista da escola de negócios e think tank Insper, o atendimento emergencial manteve milhões de pessoas fora da pobreza extrema durante os primeiros meses da pandemia. “Sem isso, a pobreza teria sido de cerca de 19%”, em vez dos 7 a 9% mantidos até o final de 2020, dizem os pesquisadores. A pobreza extrema caiu de 3% para 1%.

Desde que a ajuda acabou em dezembro, membros do Congresso vêm pressionando o governo federal por uma nova parcela de ajuda. O ministro da Economia, Paulo Guedes, concordou com a prorrogação, desde que haja cortes futuros nas contas públicas. A fase dois proposta das transferências de dinheiro, entretanto, é uma versão muito reduzida do pacote original. Agora, cerca de 46 milhões de brasileiros receberão assistência domiciliar mensal entre US $ 30 e US $ 60 por mês, dependendo do tamanho da família, por quatro meses, a partir de abril.

Alguns gostariam que os políticos do Brasil estivessem dispostos a ir ainda mais longe. O Padre Lancellotti reconheceu o papel desempenhado pela ajuda emergencial no ano passado para evitar que as famílias caíssem na pobreza, mas ele acredita que o atual governo não está realmente comprometido em ajudar os pobres. “O fim da ajuda emergencial pesou muito, mas o impacto do novo pacote será pequeno porque o valor é muito baixo”, disse ele.

“O papel da igreja é ter os pobres de volta”, disse o padre Lancellotti. “É mostrar solidariedade com os pobres. Não há dúvida sobre isso.”

(A.M.)

Faces da Pandemia da Fome

Faces da Pandemia da Fome

Vivemos a pior fase da pandemia da COVID-19, e com o aumento das restrições para conter a transmissão do vírus,...

Faça sua doação